Arquivos do Blog

A nova aventura de D&D está cheia de golpistas!

A nova aventura a ser lançada pela Wizards of the Coast, Waterdeep: Dragon Heist, tem uma trama que envolve uma caça ao tesouro urbana, com eventos dentro da cidade e regras especiais para aventuras urbanas. Nela, os vilões estão atrás de uma grande carga de moedas de ouro, que serão usadas para propósitos terríveis e caberá aos heróis impedí-los de conseguir colocar as mãos nesse tesouro.

Tal qual a clássica I6: Ravenloft, a aventura terá objetivos e antagonistas variáveis, permitindo que seja jogada repetidas vezes, com o mestre escolhendo qual das oposições será o principal oponente dos heróis nesta campanha. Ela ainda será integrada com regras para atividades fora das aventuras e permitirá aos personagens se tornarem donos de posses na cidade mais cosmopolita de Faerûn.

A aventura será para personagens de níveis 1 a 5 e será lançada no dia 18 de Setembro. A previsão é do preço final ser mais ou menos US$ 49.95 (aqui a Amazon está fazendo a pré-venda por cerca de RS$ 187,00).

Fonte: EN World The Next Dungeons & Dragons Storyline Will Be…

Anúncios

Dois cenários para a 5e em 2018

De acordo com o site ComicBook.com, o Diretor de Marcas da Wizards of the Coast, Nathan Stewart, os informou que a WotC tem planos de introduzir mais dois cenários de D&D para serem visitados ainda este ano. Ele disse “Será algo mais parecido com o que foi feito com a Baróvia [na aventura “Curse of Strahd”]. Será algo que vai te dar um gostinho do cenário, mas não vamos trazer ele todo, apenas deixaremos você entrar e dar uma olhada.”

Cenários clássicos do D&D. Da esquerda pra direita: Spelljammer, Dark Sun e Planescape.

Stewart não disse quais cenários seriam revelados, mas disse que os fãs mais “hardcore” iriam gostar. Seria Spelljammer (dadas as dicas recentes na convenção GAMA e no Mordenkainen’s Tome of Foes), ou Dark Sun (por conta dos vídeos do Mike Mearls falando de psiônicos)? É importante frisar que Chris Perkins disse que a Dungeon of the Mad Mage incluiria um elmo de spelljammer. Ambos os cenários parecem ter boas chances, e Planescape também é um candidato forte. Mas tudo isso não passa de palpite.

Não foram encontradas vagas de produtos para a WotC no site da Amazon, então é razoável presumir que esses cenários virão na forma digital. Podem ser qualquer coisa desde artigos na Unearthed Arcana, até um PDF completo igual os crossovers de Magic: The Gathering lançados. Só o tempo dirá!

Quando isso acontecerá? Stewart diz que “Temos duas surpresas nesse verão que acredito que os fãs hardcore de D&D vão realmente amar. E ainda tem outra que vamos lançar mais pra frente, ainda este ano, que não falamos para ninguém. Anunciaremos em Julho.”

Fonte: EN World  Two New Settings For D&D This Year

Tomb of Annihilation é a nova campanha de D&D!

“Indiana Jones com zumbis” é um dos termos que estão usando para descrever a nova aventura lançada pela Wizards of the Coast. Com lançamento previsto para o dia 8 de Setembro em algumas lojas especializadas e 19 de Setembro pro resto do mundo, a reencarnação espiritual da famosa dungeon Tomb of Horrors vai chegar para a nova edição no Continente Perdido de Chult, em Forgotten Realms.

Eis a nota de lançamento traduzida:

Atreva-se a desafiar a morte nesta aventura para o maior RPG do mundo.

O assunto mais corriqueiro nas ruas e tavernas tem sido sobre essa chamada maldição da morte: uma doença fatal que aflige qualquer um que tenha sido trazido de volta à vida. As vítimas vão ficando mais fracas e magras a cada dia, aos poucos sendo trazidas de volta à morte da qual escaparam.

Quando elas finalmente sucumbem, não podem ser reanimadas – aliás, ninguém mais pode ser reanimado, mesmo quem jamais morreu no passado. Templos e estudiosos da magia divina não conseguem explicar tal maldição que abateu-se sobre uma região inteira (e, possivelmente, o mundo todo).

A causa é um artefato necromântico chamado Fomentador de Almas, que está em algum lugar de Chult – uma misteriosa península no extremo sul, cercada por montanhas e tomada por florestas tropicais.

Uma aventura criada por Christopher Perkins, Will Doyle e Steve Winter, com design adicional de Adam Lee. A história contou com a consultoria do premiado criador de Hora de Aventura, Pedleton Ward.

Leia o resto deste post

Planescape Torment ganhará uma Enhanced Edition?

Nesta sexta-feira, a Wizards of the Coast induziu muitos fãs a entrarem no endereço planescape.com, onde há um mostrador com uma contagem regressiva (que vai zerar às 18h da próxima terça, dia 28). Muitos têm especulado o motivo deste contador, já que Planescape é um cenário bastante querido dos jogadores mais antigos de Dungeons & Dragons.

Tradução: “Um contador recentemente nos chamou a atenção. Plan Escape? Alguém sabe do que se trata? http://planescape.com/”

O usuário volanin do site EN World.org mencionou que o código fonte da página possui um trechinho assim:

secret=”0x50 0x53 0x54 0x45 0x45″

E os valores apresentados podem ser convertidos nas letras PSTEE, o que é um indício forte para a novidade ser Planescape: Torment Enhanced Edition.

Além disso, o usuário Blueace lembrou que o site está hospedado no mesmo servidor do BaldursGate.com.

Certeza mesmo, só vamos ter na terça. Mas a minha aposta é que finalmente conseguiram desenrolar as amarras judiciais que impediam o Planescape: Torment de ter uma edição aprimorada.

D&D vai ter tradução oficial, sim!

Livro do Jogador em Português: em breve, numa loja de RPG perto de você.

No início desta tarde, a Wizards of the Coast e a Gale Force Nine anunciaram em seus respectivos sites que em breve lançarão as versões traduzidas de seus produtos, e o Brasil já tem uma empresa responsável, a Fire on Board Jogos.

Eis aqui a tradução do anúncio oficial:

O Dungeons & Dragons possui alguns dos melhores fãs do mundo e, graças a vocês, o ano de 2016 foi um dos melhores na história do D&D. Agradecemos imensamente aos nossos jogadores e apoiadores. Vocês são maravilhosos!

[…] A Wizards of the Coast fez uma parceria com a Gale Force Nine para disponibilizar localmente o conteúdo do Dungeons & Dragons, traduzindo-o para diversas línguas. Eles vão começar com o Player’s Handbook, Dungeon Master’s Guide, Monster Manual e o D&D Starter Set, bem como os acessórios criados pela Gale Force Nine (como os spell cards e escudos do mestre). As primeiras traduções serão para o Francês, Alemão, Italiano, Japonês, Espanhol, Polonês e Português, com mais vindo a seguir.

Queremos que os fãs saibam que escutamos seus pedidos por traduções por muito tempo, e reconhecemos que as edições anteriores tiveram muitas versões traduzidas. Então, o que mudou desta vez?

Nossa abordagem para esta edição foi diferente desde o início. A começar pelo período de playtest, passando para a nossa visão sobre quais conteúdos publicar e a forma de prover a OGL da quinta edição e ao mesmo tempo oferecer um apoio online para a comunidade compartilhar conteúdo, na forma da DM’s Guild. É graças às nossas mudanças filosóficas que nossa abordagem sobre as traduções também mudou. […] Queríamos nos certificar que a qualidade, consistência, zêlo e apoio da comunidade, que fizeram a quinta edição tão popular em inglês, também existisse nos outros idiomas. […]

Com esta parceria, a Gale Force Nine estará responsável pelas traduções dos produtos físicos e supervisionará a produção e parcerias com as empresas locais, necessárias para prover o apoio ao hobby. Trabalhando com especialistas em idiomas, impressão e fãs do D&D em cada país, estamos confiantes que serão capazes de compreender as peculiaridades de cada um desses mercados.

Apesar de não termos anunciado os planos exatos de cada mercado, o plano geral é que os produtos das linhas iniciais estejam disponíveis no inverno, sendo lançados em meses consecutivos. Traduções adicionais de outros suplementos ou livros de cenário futuramente lançados sairão tão próximas do lançamento em inglês quanto possível, mas podem ter atrasos por conta do idioma e das características de cada mercado. […]

A lista de empresas parceiras da GL9 para fazer a distribuição dos produtos traduzidos de cada idioma. Diretamente do site da GL9.

Pergunta: Por que escolheram a Gale Force Nine no lugar de trabalhar diretamente com cada país?
Resposta: Fazer a parceria com apenas uma licenciada no programa nos ajuda a manter uma consistência maior entre os produtos de cada idioma, bem como ter um time no Reino Unido trabalhando em conjunto com as equipes de tradução e gráficas européias.

P: Os livros traduzidos estarão disponíveis nas lojas de RPG locais?
R: A distribuição varia de país para país, mas a maioria das lojas de RPG e grandes vendedoras de livros deverão ter a oportunidade de distribuir os produtos do Dungeons & Dragons a um preço competitivo com as versões em inglês.

P: Como as pessoas falantes de cada língua podem saber mais?
R: Como parte desta nota, nós vamos direcionar as pessoas de cada idioma aos parceiros de distribuição local e seus sites, onde podem conseguir maiores informações. Esta informação também estará disponível no site da Gale Force Nine.

Fonte: Wizards of the Coast e Gale Force Nine

D&D: Considerações sobre a pesquisa de Março de 2016

D&DOriginal: D&D Survey March 2016 da Wizards of the Coast. Por Mike Mearls.

Na pesquisa sobre os Kits de Outrora, a Wizards of the Coast quis medir não apenas a qualidade do material apresentado, como a capacidade de absorção dos mestres para materiais futuros, bem como a aceitação do público para novas mecânicas. Eis as considerações que fizeram a respeito:
Leia o resto deste post

D&D: Considerações sobre a pesquisa de Dezembro de 2015

D&DOriginal: 2016 February Survey (05/02/16) da Wizards of the Coast. Por Mike Mearls.

Na pesquisa de Dezembro de 2015, a Wizards of the Coast fez uma pesquisa em seu site para saber a opinião dos leitores a respeito de dois materiais da coluna Unearthed Arcana – Prestige Classes and Rune Magic e Light, Dark, Underdark!. Mike Mearls, um dos principais designers da nova edição, fez então um artigo para abordar rapidamente o que eles descobriram sobre aquele material.
Leia o resto deste post

Curse of Strahd é a nova campanha de D&D que estréia em Março

D&DA nova campanha de Dungeons & Dragons a ser lançada pela Wizards of the Coast se chamará Curse of Strahd. Há rumores de que Tracy e Laura Hickman, responsáveis pela aventura Ravenloft original, estão envolvidos no projeto. Supostamente, nela os PCs serão enviados para Baróvia, o domínio de Strahd, pela Madame Eva (utilizando um conjunto de cartas de Tarokka – o baralho do tarô dos ciganos de Ravenloft). Apesar de usarem o nome Ravenloft, ainda não é sabido se a campanha vai se passar realmente no semiplano do pavor ou se será em Forgotten Realms. Mas certamente as terras de Baróvia existirão nas aventuras.
Leia o resto deste post

Chegou! Temos uma OGL e uma loja para comprar e vender material do D&D 5e!

D&DO dia finalmente chegou! A Wizards of the Coast anunciou hoje a Dungeon Master’s Guild. “Há uma nova forma de comprar e compartilhar aventuras de D&D. Com a Dungeon Master’s Guild você poderá publicar material ambientado em Forgotten Realms usando monstros, magias, personagens e localizações.” É possível publicar material de D&D, bem como comprar, vender e compartilhar.

É uma parceria entre a Wizards e a OneBookShelf (a empresa responsável pela DriveThruRPG e RPGNow – as maiores lojas de RPG em PDF e demais formatos eletrônicos) e eles ficam com 50% de todo o lucro. A guilda, por hora, aceita apenas material de D&D 5e ambientado em Forgotten Realms. Não apenas isso, mas eles também oferecem agora um novo SRD (System Reference Document) para usar com a Open Gaming License (OGL)!

Logo da DMsGuildEntão, a loja, chamada Dungeon Master’s Guild, está funcionando. Ela já possui bastante material. O novo SRD também já está disponível. Eu tenho certeza de que nos próximos dias ele será objeto de análises mais profundas a respeito de suas orientações. Ele é um documento gigantesco em PDF contendo as regras abertas – que não são todas as que estão nos livros básicos.

Isto dá aos criadores de conteúdo duas opções: ou eles usam todas as regras disponíveis e o cenário de Forgotten Realms e publicam pela Dungeon Master’s Guild, ou usa o SRD e publica pela OGL (que ainda permite que você venda o material nas outras lojas da OneBookShelf, que oferecem até uma margem de lucro melhor que os 50% da outra licença). Além da vantagem de possuir mais material de base, quem publica pela Dungeon Master’s Guild tem acesso a alguns recursos exclusivos para a montagem do documento, a possibilidade de ter seu material incluído em material oficial da Wizards of the Coast e até mesmo de ser chamado para criar conteúdo especial para eles.

Finalmente a Wizards se esforçou para tornar o uso da licença que não é a OGL mais desejável do que antes. A Licença d20 (alguém lembra dela?) era atraente só pelo hype. Nesta há uma real reserva de mercado e oferta de recursos adicionais.

Fonte: ENWorld.org | The Day Has Come! It’s An OGL! And A Store To Buy & Sell D&D 5E Products!

O que os jogadores acharam do novo Ranger

D&DNão foram todos que viram, mas numa postagem razoavelmente recente da coluna Unearthed Arcana, a Wizards of the Coast apresentou uma prévia de uma possível variante da classe Ranger, explicando o que mudaram em relação ao original e o porquê. É uma opção interessante e eu realmente recomendo que quem gosta da classe dê uma olhada.

Posteriormente, a Wizards fez uma pesquisa de opinião levantando o que os jogadores acharam desta versão opcional da classe. Dos pontos fortes e fracos dela, bem como a opinião dos jogadores a respeito das versões do ranger das edições anteriores, focando bastante em descobrir qual “cara” o público prefere que o ranger apresente.

Eis que há pouco mais de dez dias saiu o resultado da pesquisa, com as considerações do Mike Mearls a respeito das respostas.

Resultado da Pesquisa do Ranger

Fonte: Player's Handbook (5e)

Fonte: Player’s Handbook (5e)

Em nossa mais recente pesquisa, perguntamos um pouco a respeito dos aspectos gerais da classe ranger e de um exemplo de um novo ranger refeito do zero, apresentado até o quinto nível. A classe foi uma tentativa de abordar a fonte da insatisfação que percebemos que os jogadores têm apresentado com o ranger, e determinar quais alterações nós deveríamos fazer na classe (se é que deveríamos) em material futuro.

Há dois elementos interessantes que surgiram nesta pesquisa. Para começar, as versões da 2ª e 3ª edições da classe são as que foram mais bem recebidas. Estas duas versões misturam o companheiro animal com perícias de sobrevivência, magia e um estilo de luta único focado no uso de duas armas. A 3ª edição adicionou a opção da arquearia. Elas parecem casar bem com os resultados obtidos com as regras gerais do design da classe oferecida no artigo da Unearthed Arcana. O conceito do campeão da natureza e defensor num estilo parecido com o do paladino não é muito popular, as pessoas gostam do ranger capaz de sobreviver na natureza através de uma combinação de perícias e habilidades mágicas.

Com base nestas informações, não é surpresa ver que uma classe ranger com menos ênfase na magia e sem um companheiro animal de carne e osso e sempre presente recebeu notas bem baixas.

Para o próximo passo, vamos tentar modelar um ranger que concentre-se mais no companheiro animal e torne-o uma parte da base da classe. Esta abordagem permite que mais do “orçamento de poder” da base da classe vá para o companheiro. Pense neste orçamento como a eficácia total possível de ser alcançada com a classe, dividida dentre suas habilidades. O design inicial da 5e jogou o companheiro animal para ser uma escolha de arquétipo do ranger, exigindo que ele fosse adicionado além das características básicas de todos os rangers. Ao tornar o companheiro animal parte da base comum da classe, nós teremos muito mais liberdade para brincar com esta característica.

Fonte: Wizards of the Coast | November 2015 Survey por Mike Mearls